Sou um Nerd


ME DESCOBRI NERD
Há pouco tempo realizei que sou e fui um nerd por toda a minha vida… OhhhHhh!

Não um nerd hardcore, aquele com postura errada, que não consegue falar com mulheres nem tem tato social.
Acredito que sou um nerd com benefícios, um “Nerd descolado”.
Não fui “popular” na escola, mas consegui nadar naquele mar revolto com razoável desenvoltura. Tive colegas “cool” e participei de alguns eventos sociais, mas amizade MESMO, só com os “socialmente confrontados”.

EM TERRA DE CEGO QUEM TEM OLHO É REI
Na faculdade de engenharia, onde nerd dá na canela, me senti em casa, lá era normal sair 2 da manhã fazendo prova e passar sábados estudando eletromagnetismo.
Em meio a todo tipo de nerd, geek, freak e virgens de 25 anos que sequer beijaram, eu, com minha guitarra e meus cabelos longos, era “O” maluco, um dos poucos não nerds e essa impressão de normalidade me comprou mais alguns anos de ilusão.

NERD
Para mim a principal característica de um nerd é a paixão.
O intenso apreço pelas coisas e sentimentos o diferem de pessoas superficiais cuja vida é uma realidade numa colher.

PORQUE SOU NERD?
Forçando minha memória, o primeiro registro de comportamento nerd que lembro foi ao assistir “De Volta Para o Futuro” 6 vezes seguidas. O filme instigou DEMAIS minha imaginação, comecei a formular minhas teorias sobre viagem no tempo e, anos depois, descobri que estavam fundamentalmente corretas.
Perturbava meu pai o tempo todo com perguntas desconcertantes e ele reagiu da melhor forma possível: comprou livros e enciclopédias para mim e meus irmãos. Lembro com mais apego da “Coleção – Porque?” e “Enciclopédia da Criança”, fantásticos!
Desde criança questionei convenções onde não conseguia ver sentido. As religiões sempre me intrigaram mais, o que me trouxe problemas na escola e até hoje. Estudei em escola católica (Christus em Fortaleza) e na oitava série comecei a questionar os ensinamentos passados pelo professor de ‘religião’ e pela minha mãe, carola de carteirinha na época.
Resultado? fiquei de recuperação em ‘Moral e Cívica”!
Fiquei de recuperação por pensar e ter minhas próprias opiniões? PUTA QUE PARIU!
Na época a ficha não tinha caído, mas isso engatilhou minha hostilidade para com o assunto… há muito pano para esta manga e deixarei para outra post.
Parafraseando André Dahmer em sua tirinha “Os Malvados”: Evito pensar para não me tornar socialmente perigoso.
Resumindo, me considero nerd pela paixão axiomática pela música, ciências e fantasia….. além de aos 5 anos achar que cambalhotas no pátio atraíam as menininhas.

O BÔNUS DO ÔNUS
Minha inesgotável sede de aprendizado me trouxe até onde estou, consegui me formar num curso sobrenatural e hoje sou engenheiro muito bem empregado!
Tenho amigos de verdade que, possivelmente, jamais teria conhecido caso fosse uma pessoa ‘normal’ e, ironicamente, me julgo sortudo com as moças, acho que o maior problema dos nerds. Não fui, nem sou sou mulherendo, nem estou falando em quantidade, mas em sinceridade e intensidade.
Por isso, companheiros, acredito que o ônus de ser um nerd é pequeno e é apenas um meio para um fim onde o céu é o limite, ou nem isso, vide os nerds astronautas.

Live long and prosper!

Fatos pitorescos sobre minha nerdisse:
– Nunca reprovei ano
– Entrei na faculdade de engenharia eletrônica
– Trabalho com Tecnologia da Informação (TI)
– Gosto de computadores, videgames e jogos de tabuleiro
– Durante anos joguei RPG com um grupo que se reunia às 7:30 da manhã TODO domingo
– Não gosto de forró/pagode/axé
– Odeio futebol
– Tenho um blog
E porque sou descolado?
– Não sou tímido, pelo menos não nocivamente
– Sou/fui bom em esportes, exceto futebol
– Sou roqueiro (YEAH!)
– Não tenho problema para falar com mulheres (a não ser que o papo tenha conotação romântica, aí complica um pouco)
– Não sou flautista (foi mal Pédin)
– Tenho um blog chamado “NERD DESCOLADO!
\,,/